quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Despedida dos Açores


Despeço-me dos Açores. Foram dias magníficos de convívio, encontro com amigos, diversão, cultura e natureza. Na ilha Terceira assisti a uma tourada à corda, Visitei o Palácio dos Capitães Generais, a igreja do Colégio e fui a um concerto de órgão de tubos na igreja de São Gonçalo a propósito dos 475 anos da elevação de Angra a Cidade. No Faial fiz um pic-nic, na Graciosa visitei a fábrica das queijadas e no Pico andei numa carrinha de caixa aberta. Em todas elas fiz caminhadas, estive com amigos e diverti-me imenso.

A ilha Terceira é a mais rica em História, Angra do Heroísmo é património da Humanidade. Foi a primeira capital dos Açores e ainda hoje é sede do bispado e do Ministro da República. Tem uma arquitectura ortogonal do tempo do Iluminismo, recebeu Caravelas e Naus, o porto das Pipas tem galeões Espanhóis afundados na sua baia, diz-se que com muitos tesouros. Desenvolveu-se uma burguesia mercantil e com ela uma arquitectura rica, visível nas casas de são Carlos e por toda a cidade. No convento de São Francisco está sepultado Paulo da Gama, irmão de Vasco da Gama, que morreu no regresso da primeira viagem à Índia. Os Terceirenses orgulham-se de ter sido o único local independente de Portugal, quando o restante território nacional caiu no domínio dos Espanhóis e de ter sido sede do Governo liberal de D. Pedro IV. O foco liberal a partir de onde se organizou toda a resistência e posterior embarque para o continente e reconquista aos absolutistas.

A Graciosa está culturalmente muito ligada à terceira. Tem o topónimo de ilha branca pela predominância na sua paisagem de pedras e barro branco. É a mais seca e de menores altitudes dos Açores. Tem muitas tradições, o Carnaval é folgazão. Salões de dança, cinco em menos de cinco mil habitantes. Os Graciosenses são dançarinos e músicos, dançam entre o Natal e o Carnaval à falta de outros entretenimentos como nos lugares grandes. A vila da Praia é a terra da Música, nunca vi sítio em Portugal com tantos músicos. Uma freguesia com pouco mais de mil habitantes tem uma escola profissional de música. Há uma predominância muito grande de pianos e de filarmónicas. É vê-las no verão a dar concertos nos Bodos e festividades locais. O tempo que passa mais devagar e o isolamento propiciaram uma necessidade maior de convívio e festa. Os seus moinhos são os mais bonitos dos Açores.

O Faial foi ponto de ligação das linhas de telegramas e telefones entre a Europa e a América, esteve sempre dividida entre estes dois mundos. Ponto de encontro de iatistas, multicultural e aberta.

O Pico tem um magnetismo sobre todas as outras ilhas do grupo central devido ao cume da sua montanha, visível de todas elas. É a ilha por excelência do Whale Watching, das caminhadas (com a subida ao Pico). Produz o melhor vinho dos Açores, o maduro branco de casta verdelho, que foi exportado para os czares da Rússia.

Há muito a dizer sobre os Açores, íntimo e pessoal. Fica apenas o postal turístico, o resto é para mim.


Terceira
Ilhéus das Cabras, Ilha Terceira



Angra do Heroismo
Angra do Heroismo e Monte Brasil
Vale da Achada, ilha Terceira
Graciosa
Santa Cruz da Graciosa
Ilha do Pico vista da Caldeira do Faial
Ilha do Faial

Praia do Almoxarife, ilha do Faial
Pico

Impérios da Terceira














O culto do Espírito santo foi introduzido em Portugal no século XIII pela rainha Santa Isabel, uma devota de São Francisco e do espírito de simplicidade e generosidade desta ordem. Na idade média foram festas que se vulgarizaram adquirindo grande popularidade em Portugal. Havia um espírito de tolerância e convívio entre as três grandes comunidades religiosas que habitavam o território nacional. A reconquista era recente e muitos muçulmanos continuaram em território Cristão a exercer as suas actividades e os Judeus ainda não tinham começado a ser perseguidos pela Inquisição. Um menino era coroado imperador e nas vilas e aldeias de Portugal festejava-se distribuindo comida aos mais pobres. Uma pomba simbolizava o Espírito Santo e o menino Imperador, o filho de Deus e a inocência de um reino sem pecado.


Estas festas foram introduzidas nos Açores pelos seus povoadores e continuaram a celebrar-se até hoje, evoluindo e sofrendo alterações de ilha para ilha, transformando-se em festividades muito diferentes das que se praticavam na idade média em Portugal continental, onde se viria a perder  a tradição. No Brasil também se celebram estas festas em algumas regiões.



Actualmente são uma festividade que adquiriu características próprias nos Açores e são tão importantes que o feriado regional é o dia do Espírito santo, a segunda – feira após o domingo de Pentecostes. A ilha Terceira é provavelmente aquela onde esta celebração adquiriu características mais peculiares. Uma delas é os seus Impérios trabalhados e coloridos. Um Império é um pequeno edifício, uma espécie de capela, onde se encontra o altar do espírito Santo, composto por  uma coroa e uma bandeira com a pombinha (este dia também se chama o Dia da Pombinha). Anexada à capela existe geralmente um armazém onde se guardam os bens que serão distribuídos pela comunidade no dia da festa. Geralmente são diferentes tipos de pão, os nomes variam de ilha para ilha, e as sopas do Espírito santo. Um caldo, em que foi cozida carne de vaca, com pão.

Depois do dia do Espírito Santo celebram-se regularmente durante o Verão, pelas freguesias das ilhas, festas com o mesmo espírito de partilha e de convívio. Habitualmente têm bandas de música e um mordomo que organiza as festas do seu Império e que é o responsável pela aquisição dos bens a distribuir. Há variações de ilha para ilha na forma como elas decorrem. As festas do Espírito Santo são uma marca forte da Açorianidade e também se celebram onde existem comunidades de açorianos, principalmente nos Estados Unidos e Canadá. Nos dias de festa é ver bandas filarmónicas a desfilar tocando o hino do espírito santo, rosquilhas, pão doce, regueifas e sopas do Espírito santo em grandes mesas com dezenas (centenas até) de comensais.

Deixo as fotografias de muitos Impérios da ilha Terceira. São parte integrante da fisionomia da ilha.
















Capelo - Capelinhos (PR1 Faial)
















O percurso começa no parque de merendas do Capelo, um local com muita sombra e condições excelentes para pic-nics. Ali próximo fica a zona balnear do Varadouro, outro excelente local para depois do pic-nic dar um mergulho.

Quanto ao percurso, fiz alguma confusão, porque no desvio para a Furna Ruim havia uma outra placa que indicava Cabeço Verde, fiquei sem saber qual seguir. Fui ao cabeço verde e voltei para trás. Segui a indicação Furna Ruim, Caldeirão.

O tempo sombrio e com pouca visibilidade tirou-me a vontade de caminhar, não deu para tirar fotografias nesta parte do trajecto. Segui pelo cabeço do Canto onde se tem uma panorâmica do Vulcão dos Capelinhos. Aqui o tempo começou a melhorar e terminei o percurso com bom tempo. Segui um pouco mais pelo trilho dos dez vulcões que coincide com este na parte final, terminando no Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos.

O bilhete para o centro Interpretativo custa 10€, nele se pode observar um filme em 3D sobre a origem vulcânica das ilhas dos Açores, hologramas , testemunhos da erupção e outras histórias dos vulcões e geologia do planeta, sempre com interactividade e imagens esclarecedoras.

A erupção do vulcão foi a última grande erupção vulcânica dos açores. Começou em finais de 1957 e prolongou-se durante um ano, aumentando a área do ilha em mais dois quilómetros quadrados . É um exemplo recente de como todas as outras ilhas se formaram. Provocou alterações no modo de vida dos Faialenses levando milhares à emigração.

A zona dos Capelinhos mantem a atmosfera primordial de cinza e lava, apenas nos locais mais abrigados alguma vegetação rasteira começou a surgir. Ao fim de muitas dezenas de anos toda esta zona estará coberta de verde, tal como aconteceu em todas as outras ilhas do arquipélago.


















terça-feira, 17 de agosto de 2010

Subida ao Pico

















O barco para a Madalena parte do cais da Horta às 8.00 horas, viajam alguns turistas com mochila e outros passageiros que trabalham do lado de lá do canal. É como um cacilheiro que atravessa o Tejo levando as pessoas para a outra margem, só que não é um rio que as separa mas o mar alto. As margens das duas ilhas estão a quinze quilómetros uma da outra e a travessia dura meia hora. Vejo o Pico descoberto, o tempo está bom para a subida. Olho para imponência e magnitude da montanha e sinto-me contente com o desafio que tenho hoje pela frente. A temperatura já é agradável a esta hora do dia, vou de manga curta e calções com uma pequena mochila às costas. Um taxista leva-nos para a casa da Montanha, o preço da viagem 20€. Pareceu-nos demasiado caro, com mais 20€ para o regresso e só o táxi fica nos 40€. Preço para turista Alemão e Francês, vejo muitos por cá, mas não para Portugueses.

Na Casa de Montanha perguntam-nos se algum de nós já subiu o Pico.

- Eu já – respondo.

- Então, se não se importar, dá-me o seu número de telemóvel. Você não vai levar GPS, estamos com poucos. Há muita gente lá para cima. Mantenha o seu telemóvel sempre ligado.

O meu amigo nunca subiu o Pico, apesar de viver aqui ao lado na ilha do Faial.

- Já que você subiu ao Pico, fica o responsável pelo seu amigo –

Preenchemos uma lista com o nosso nome e contactos, somos os números 815 e 816, o que significa que neste mês subiram a montanha antes de nós 814 pessoas.

A casa da Montanha foi inaugurada em 2008 e é uma estrutura de apoio aos montanhistas. Está aberta 24 horas por dia, tem uma pequena exposição sobre a vulcanologia da ilha, um bar (soube tão bem beber umas cervejinhas fresquinhas quando chegamos cá abaixo), casas de banho e acciona os meios de socorro em caso de acidente.

Pode-se pernoitar no interior da cratera, neste caso é obrigatório levar tenda e saco cama.

- Fazemos uma média de subida de 7 horas por pessoa. Tentem estar cá em baixo às 5 da tarde.

O tempo é inconstante, muitas nuvens cobrem esta encosta da montanha que tem o principal trilho e o mais seguro para a subida. Nalguns momentos pouco se vê à nossa frente. Este é o grande risco, perder a visibilidade e a insegurança aumentar drasticamente. Muito rapidamente a montanha se cobre de nuvens como muito rapidamente elas desaparecem (felizmente foi o que aconteceu ao longo da subida). Fomos com muita calma, parando várias vezes para comer, tirar fotos e apreciar a paisagem quando o céu ficava mais aberto. A subida é no início pouco íngreme mas vai-se tornando cada vez mais inclinada e escorregadia.

O trilho de terra está bem marcado devido às centenas de montanhistas que o pisam, escorrega bastante por ser muito inclinado e há troços com gravilha que se desprende. É necessário usar as mãos e ter um calçado adequado para não escorregar.



Chegamos ao interior da cratera e avistamos uma paisagem lunar. O tempo abriu e por baixo dos farrapos de nuvens brancas dispersos pela encosta da montanha vê-se as Lajes do pico e o mar azul. Um grupo numeroso de adolescentes Franceses encontra-se a descansar nas rochas e várias pessoas sobem e descem do Piquinho, o último cume da montanha. Parece uma romaria ao Nosso Senhor dos Milagres. Todos querem chegar ao ponto mais alto de Portugal e tirar umas fotografias para recordar. O Piquinho é muito íngreme e escorregadio, subo até meio mas começo-me a sentir muito inseguro. Não sei onde me agarrar, olho para baixo e vejo o desnível. Não consigo ficar de pé, tenho medo de me desequilibrar e rolar pela montanha abaixo. Sento-me indeciso. A quantidade de pessoas põe-me mais confuso ainda. O meu amigo passa por mim.

- Anda daí Paulo, não tenhas medo eu vou atrás de ti. Só falta um bocadinho, não fizeste este esforço todo para agora desistir.

- Tenho vertigens, vou ficar. Sobe tu, eu espero por ti na cratera.

- Tens a certeza?

-Tenho, é melhor assim.

A maioria das pessoas que vi subiu até lá acima. Uma fulana estava para desistir, mas o guia (pode-se subir o Pico com guia) convenceu-a, uma turista Italiana e o marido também ficaram pela cratera. Conhecemos um casal de Aveiro na subida, a mulher  também não quis subir o Piquinho e ficamos na cratera a falar dos Açores e a ver a Lajes do Pico por baixo das nuvens. Um casal de Franceses levou o filho de seis anos (grandes malucos!) e  uma sujeita subiu em sandálias.

Lá em cima o meu amigo fuma um cigarro, telefona à esposa e faz-lhe uma declaração de amor, orgulhoso do seu feito. Tira várias fotografias, faz um filme e descreve o que vê. As nuvens encobrem as ilhas da Graciosa, São Jorge e Terceira. Observa apenas partes do Pico e do Faial. Espero por ele bastante tempo.

Quando desce para a cratera damos uma volta demorada pelo interior, vamos até ao aparelho de medição dos gases atmosféricos. Ali próximo há um precipício, gostaria de me aproximar mais um pouco mas por causa das vertigens não o faço. O meu amigo aproxima-se mais, tira fotos e eu apanho-o numa foto espectacular acima das nuvens.

Na descida o céu está limpo e vê-se a enorme base da montanha a estender-se pela costa ocidental da ilha com os seus vários cabeços vulcânicos. Daqui desta altitude parecem pequenas concavidades num chão plano, uma ilusão de óptica provocada pelos dois mil metros acima do nível do mar em que nos encontramos.

O mais difícil no trajecto não é o esforço físico e o tempo que demora o caminho. É a incerteza do piso, a grande probabilidade de escorregar, a paciência para o descer agarrado à rocha, muito devagar em alguns pontos mais íngremes. Tive que me sentar e descer de costas em algumas partes. O trajecto está muito gasto, há terra solta e gravilha onde facilmente se escorrega e dá um trambolhão.

Demos baixa na recepção da Casa da Montanha e faço perguntas sobre o apoio prestado aos montanhistas.

Hoje, uma senhora simplesmente desistiu. Psicologicamente foi-se abaixo. Teve que ser auxiliada por um voluntário.

Existe uma equipa de apoio que em caso de necessidade, ferimentos, entorses, ataques de pânico, desorientação, sobe a montanha a pé para os trazer para baixo em qualquer época do ano. Nos casos mais graves chama-se um helicóptero. Felizmente estas ocorrências são raras.

O casal de Aveiro faz-nos companhia numa parte da descida. Um indivíduo que lhes deu boleia no dia anterior levou-os hoje à Casa da Montanha e também vai buscá-los.

- Ainda não chamem o táxi. Talvez o amigo que nos vem buscar vos possa levar à Madalena. Esperem um pouco que já vos dizemos.

Pode levar-nos. Depois de nos refrescarmos com umas minis vamos descendo a estrada alcatroada para ir ao encontro da boleia. É uma carrinha de caixa aberta. Um espectáculo, só mesmo nos Açores para acontecer isto. Arranjamos uma boleia graças a um encontro fortuito com um casal do continente e agora seguimos na carrinha de caixa aberta de um tipo que não conhecemos. Passam por nós serrados com vacas, hortênsias e vegetação que se vai tornando cada vez mais densa e alta à medida que nos aproximamos do nível do mar, o vento bate-nos na cara e falamos da vida. Na Madalena sente-se um bafo quente e agradável.

O último barco para a Horta é às 21.00 horas, ainda temos meia hora. Apeamo-nos todos da carrinha, dono incluído, e vamos beber umas minis para um bar junto ao cais como se fossemos amigos de longa data. Com a boa disposição e empatia que houve naquele momento era como se fossemos. O tempo passou a correr, eu e o meu amigo despedimo-nos deles e corremos para a lancha.