sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

O Fiasco de Copenhaga

“Eu finjo que tu estás a fazer alguma coisa contra as alterações climáticas, se tu fingires que eu também faço. Concordas? Concordo.”



Um jornalista da Antena 1 dizia que era o Momento da Verdade para o Presidente Barack Obama. O mundo iria saber de que lado estava: se do lado do ambiente, se do negócio.
O Presidente chegou a Copenhaga com uma modestíssima proposta de redução das emissões dos gases com efeito de estufa de apenas 4 %. Ficou claro sobre quem manda na economia mundial e de que lado está o presidente. Não foi capaz de resistir às pressões das grandes corporações económicas, incapazes de alterar o seu modo de produção e de reduzir as emissões dos gases com efeito de estufa.

De acordo com Naomi Klein, nenhum outro presidente Norte-Americano teve as mesmas oportunidades que este para converter a economia Americana em algo não destrutivo e ameaçador da vida na Terra. Barack Obama tomou todas as medidas necessárias que perpetuarão o estilo de vida ambientalmente catastrófico da economia mundial.

Lançou um Pacote de Estímulo à economia Americana. Em vez de um esforço para redesenhar a economia, de acordo com padrões mais “Verdes” com construção de sistemas mais eficaz de transportes públicos e de distribuição de energia.

Os grandes fabricantes de automóveis Norte Americanos foram apoiados financeiramente nesses pacotes, deixando o seu modo de produção intacto. Perdeu-se assim uma oportunidade de redesenhar a indústria automóvel Norte Americana, em decadência com a crise económica, baseada em métodos menos destrutivos.

As auto-estradas que perpetuam a cultura do carro venceram.

Finalmente, uma parte desse estímulo deveria ser concedida em empréstimos bancários a “Projectos Verdes”. O presidente não se intrometeu no modo como os bancos gerem os seus negócios. Em vez disso, financiou-os sem qualquer contrapartida ambiental.

É mais difícil do que nunca obter um empréstimo de um banco para “Projectos verdes”.

As emissões de gases com efeito de estufa deveriam ser reduzidas para 45% com base nos níveis de 1990, para que a sustentabilidade da vida no planeta não seja colocada em causa. Pelo contrário, os presidentes dos países mais poluidores do mundo foram incapazes de chegar a um acordo nesses termos.

O presidente da Comissão Europeia reconheceu que o “acordo” ficou aquém do esperado. A comunicação social noticiou a conclusão da cimeira como um acordo modesto, abaixo das expectativas e objectivos necessários.

Não houve acordo nenhum, um grupo de 77 países não assinaram os termos propostos pelos países mais ricos, num processo pouco democrático e transparente que pôs completamente de lado as Nações Unidas e a opinião dos mais pobres.

Foi nestes termos que Naomi Klein colocou o pdeudo-acordo de Copenhaga:

“Eu finjo que tu estás a fazer alguma coisa contra as alterações climáticas, se tu fingires que eu também faço. Concordas? Concordo.”

O presidente Obama e algumas nações com mais responsabilidades nas emissões de gases com efeito de estufa como a China, Índia, Brasil, Comissão Europeia, Canadá, Austrália e Japão fizeram um “acordo” de interesses, não vinculativo que reconhece a necessidade de limitar o aquecimento global a “apenas” 2ºC.

Contudo, os actuais compromissos, se respeitados, implicarão um aumento da temperatura de 3.9ºC até 2100.

Um aumento de dois graus condenará a continente Africano à morte, como reconheceu o representante dos setenta e sete países.

O presidente das Maldivas, disse que 3ºC destruirão o seu país e as vidas de mil milhões de pessoas em zonas ao nível do mar.

Três graus significarão o colapso da Floresta Amazónica, secas na América do Sul e Austrália e a destruição dos habitats oceânicos.

Neste momento estamos a caminho das 770 partes por milhão (ppm) de dióxido de carbono na atmosfera no final deste século, quando o número razoável teria de ser de 350 ppm para evitar a irreversibilidade das alterações climáticas.

Estamos dentro duma panela de pressão a assistir à destruição sem precedentes do Planeta, incapazes de alterar esta economia destrutiva. Estamos todos dependentes dela, atingimos um bem estar material sem precedentes. Viajamos, temos ar condicionado, deslocamo-nos rapidamente entre locais como nunca aconteceu antes, observamos o que se passa noutros pontos do planeta em tempo real através instrumentos moderníssimos de comunicação. Estamos confortavelmente instalados a assistir a tudo isto.

Os lideres políticos mundiais são incapazes modificar as politicas económicas porque são os líderes das corporações que financiam as suas campanhas e dão emprego a milhões de pessoas. Talvez seja muita ingenuidade acreditar que por livre vontade alterarão o rumo das políticas e reconverterão a economia numa menos destrutiva.

A autora Rebecca Solnit faz uma analogia com o filme Exterminador 2. Um robô chega do futuro para proteger aquele que liderará a resistência Humana contra as máquinas, John Connor, de uma outra máquina vinda do futuro que o quer assassinar e, dessa forma, destruir qualquer hipótese de resistência contra elas. Na economia actual existem muitos “predadores” e a destruição já está a acontecer, mas infelizmente ninguém veio para nos salvar. Não há um Super-herói, uma máquina que nos protegerá dos exterminadores implacáveis. Terá de ser a sociedade civil o Super-herói, todos nós teremos de ser um pouco super-heróis.

Tudo ficou adiado por mais um ano até ao mais que provável fiasco do México, se a sociedade civil não se mexer.

O médico Sul-africano Colin Soskolne comprova através de estudos científicos que a qualidade da Saúde Pública está intimamente relacionada com a qualidade do meio ambiente circundante. Ambas estão interligadas, parece óbvio. Contudo, ele demonstra estatisticamente que a esperança média de vida diminuiu em alguns estados Canadianos, enquanto que o crescimento económico cresceu. Até uma determinada época houve um crescimento de ambos os indicadores, depois começaram a divergir.

Eu acredito que já atingimos o ponto máximo e que entramos num processo descendente, que a nossa qualidade de vida não será idêntica à dos nossos pais e que a longevidade das próximas gerações não será tão longa como a nossa, apesar de todos os progressos científicos e propaganda institucional que nos faz acreditar que vivemos num tempo maravilhoso e que somos uns sortudos pelos bens materiais adquiridos.

Outro artigo de referência:
Bond, Patrick, Curing Post-Copenhagen Hangover

domingo, 20 de dezembro de 2009

Gerês
















Vim para esta caminhada cheio de expectativas. Com tanto mau tempo que tem feito por essa Europa fora, pensava que ia apanhar um grande nevão aqui no Gerês. Tem estado muito frio, temperaturas negativas no interior norte e previsões de chuva para hoje, pelo menos foi o que me pareceu quando consultei o sítio do Instituto de Meteorologia. Por isso, vim bem agasalhado, preparado para a neve e feliz pelas companhias. Não podia ser melhor para terminar o ano.

Enganei-me. Apesar do frio, não houve nenhum nevão. Esteve sol e os únicos resquícios de neve que vi foram uns farrapitos brancos de gelo em alguns sítios, que restavam ainda dos nevões de há uns dias atrás.

A caminhada começou em Fafião e fomos por trilhos não sinalizados, confiando cegamente no nosso GPS. Sem ele seriamos incapazes de nos orientarmos nestas serranias. Ao fim de alguns meses voltamos a reencontrar a confiança e a tranquilidade para caminharmos despreocupadamente. Estamos muitíssimo bem entregues.

Trilhos centenários calcorreados outrora por pastores, servem agora de referência a gente urbana, nostálgica da natureza e dos ares da serra. Os pastores são raros, ainda vimos um ao longe com um grupo de cabras enquanto fomos seguindo as mariolas.

O GPS indica-nos sempre o trilho correcto quando surge uma bifurcação ou não vemos a mariola seguinte, escondida por uma árvore que caiu, ou disfarçada por um efeito de mimetismo no cimo de uma rocha. Nunca avaria!

O Tempo esteve para a loucura de dar um mergulho nas águas gélidas de um ribeiro. Eu, que já tenho as minhas chatices, para quê meter-me numa tortura destas? Houve quem se tivesse aventurado, eu fiquei todo arrepiado só de ver. De qualquer forma, apreciei bastante a ousadia.

UM FELIZ NATAL  E BOM ANO NOVO A TODOS


Garranos

domingo, 13 de dezembro de 2009

Viagem à Pré-História (Arouca PR15)


Este percurso é dos mais interessantes de Arouca e um dos meus favoritos. Não foi a primeira vez que o fiz, nem será a última. Gosto dele por causa da variedade de enquadramentos que se atravessam, diferentes, rústicos, selvagens, telúricos. E tem uma grande vantagem em relação a muitos outros pela sua proximidade com o litoral, de São João da Madeira ao parque de campismo do Merujal (fechado nesta época do ano), onde iniciamos o percurso, demoram-se 30 minutos aproximadamente.

É um desfilar de lugares, todos merecedores de fotografias e olhares atentos e contemplativos: a Frecha da Mizarela, uma cascata com mais de sessenta metros de altura, nesta época com uma força de água impressionante. O Rio Caima, enfiado entre as rochas, com choupos e bétulas nas margens, a dar um aspecto bucólico ao trajecto. As árvores despidas, isoladas nas encostas da serra da Freita. As turfeiras húmidas com os riachos que as atravessam. Os campos em socalco ao redor da aldeia de Castanheira e, depois, a parte humana e cultural.

Na aldeola de Cabaços ainda se sente o cheiro da urina e do estrume das vacas que andam livremente pelas ruas a fazer companhia às galinhas. Em Castanheira, um casal de velhos retira palha seca de uma choupana. A mulher, com lenço preto na cabeça, o homem, muito mal-humorado, despacha-me com um “Toca a andar, toca a andar” quando lhes peço para tirar uma fotografia. Em Albergaria-da-Serra duas vacas Arouquesas mastigam pachorrentamente no meio da rua uns fardos de erva colocados na berma. Pujantes, com os cornos longos e lombos largos, dóceis e inofensivas, destinadas aos restaurantes da região.

Os vestígios históricos e geológicos não são menos importantes. A Mamoa do Monte Calvo e a Portela da Anta são dois recintos funerários pré-históricos, a provar que esta serra é habitada há milhares de anos e a razão de ser do nome deste percurso. E as não menos famosas Pedras Parideiras, um fenómeno geológico raro no planeta. Através de interacções físicas e químicas, pequenas pedras foram-se desprendendo da rocha-mãe, originando concavidades enegrecidas e pequenas pedrinhas de forma oval, facilmente identificáveis e apanhadas nas proximidades de Castanheira.

Por fim, a zona de lazer de Albergaria-da-Serra, onde no verão se pode tomar um banho nas águas límpidas e transparentes do rio Caima.

Esteve um frio e vento de rachar. O céu límpido permitiu avistar a ria de Aveiro e toda a linha de costa até Espinho, a zona urbana de Santa Maria da Feira, o castelo, e áreas dos concelhos de Vale de Cambra e Oliveira de Azeméis.

O percurso tem 17 Km, é circular e de dificuldade média/alta. Está bem sinalizado e é um encanto.


  



segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Percurso de Galegos














O Percurso pedestre está sinalizado e homologado de acordo com as normas da Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo, é circular e tem 12 quilómetros de extensão. A altimetria é pouco variável. Começa e acaba na aldeia de Galegos, Concelho de Marvão e insere-se no Parque Natural da Serra de São Mamede


Era por estas rotas que antigamente se fazia o contrabando com Espanha, o percurso passa a poucos metros da aldeia Espanhola de La Fontanera e entre as duas existe um morro bastante inclinado e zonas que seriam de difícil vigilância.

O rio Sever acampanha-nos em algumas partes do seu trajecto em direcção ao Tejo. A paisagem continua a ser impressionante, vêem-se as encostas da serra a culminar nas muralhas de Marvão e no casario branco à sua volta, noutros pontos a planície e os afloramentos rochosos, salpicados de sobreiros e carvalhos. Uma paisagem sóbria e austera, mas muito bela. Perdidas no meio da serra algumas vivendas típicas ou em recuperação pelos moradores, estrangeiros muitos deles.

As condições de caminhada foram óptimas, uma temperatura sempre amena, um sol tímido ameaçado de vez em quando por chuva, que não aconteceu, e principalmente a companhia que foi muito agradável.
Gilbardeira

Carvalo-negral (Quercus pyrennaica)




Castelo de Vide - Marvão (com muito riso)














É outro local totalmente diferente. Estou em Castelo de vide, a paisagem e a arquitectura mudaram subitamente desde que saí do Norte há quatro horas atrás. As casinhas brancas de vasos dependurados nas paredes e esquinas coloridas, tudo arranjadinho e harmonioso. Parece outro país, contudo isto é Portugal em toda a sua riqueza e memória histórica. Deambulo pelo centro da vila, observo as ruas que sobem até ao Castelo, a antiga Judiaria, as igrejas e os pequenos detalhes arquitectónicos que nos dizem de toda a riqueza e monumentalidade de Castelo de Vide.

O ponto de encontro é em frente ao posto de turismo com o pessoal da Quercus que organiza esta caminhada até Marvão. É um percurso não marcado, recentemente trilhado pelos nossos guias que o conhecem bem e nos darão explicações sobre a fauna, flora, geologia e cultura do local. Vamos “À Descoberta da Serra de São Mamede” pelo velho caminho medieval em estradão de pedra e por caminhos rurais já entrados em desuso. Uma distância de doze quilómetros, linear, sempre ascendente até à impressionante fortaleza de Marvão, contornando a encosta da Serra de São Mamede. Carvalhais, soutos, medronheiros de altura acima da média, sobreiros e cristas quartziticas envolvem-nos ao longo do trajecto.

A paisagem humanizada através dos sistemas tradicionais de utilização do solo, uma das razões que levaram à criação do Parque Natural da Serra de São Mamede, está hoje ameaçada devido ao despovoamento maciço das aldeias e ao desaparecimento dos modos de vida tradicionais. Quase só vivem velhos nestas aldeias, os novos emigraram para as cidades. Há bastantes estrangeiros por aqui que recuperam muitas habitações tradicionais e dividem o tempo entre o seu país de origem e esta serra, mas parece não ser suficiente para inverter o envelhecimento e a redução demográfica acentuada.

A partir de certa altura começamos a ver Castelo de Vide atrás de nós e as muralhas de Marvão lá no alto, imponentes esperando pela nossa chegada. Passamos ao lado de uma choça, um abrigo circular de origem primitiva cuja construção e aproveitamento perdurou até ao século passado, recuperada para o visitante imaginar outros tempos e modos de vida.

A par das explicações dadas pelos elementos da Quercus, da sua simpatia e divertimento, tivemos ainda a surpresa da Sessão de Yoga do riso. Quem nos visse ali em círculo no meio do monte às gargalhadas e a fazer uns gestos esquisitos, ia julgar que éramos um grupo de maluquinhos. “I Love You. Hahahaha”

Estamos quase em Marvão, cansados após uma subida a pé de doze quilómetros mas ainda temos humor e ironia suficiente para bater palmas e dar umas palavrinhas de apoio, pelo “seu esforço”, aos inúmeros condutores que passam por nós e não param o carro para nos deixar atravessar a estrada “Força, está quase, falta pouco.”

Em Marvão decorre a festa da Castanha. O Bilhete custa 1€ e tem uma citação – Marvão: Verdadeiramente Excepcional - Ray Bondin.

Judiaria de Castelo de Vide



Pilriteiro

Choça


sábado, 7 de novembro de 2009

Percurso de Salreu















Podia chamar o Reino das Cegonhas ao título desta entrada. Ficava bonito. Estas aves vêem-se a planar sobre os terrenos encharcados da Ria e dentro dos ninhos pousados nos postes de electricidade e das chaminés mais altas.

O Percurso de Salreu tem 8 km de comprimento, é totalmente plano e parte integrante da Ria de Aveiro. A entidade que o promove é a BIORIA.

Tem a vantagem de estar a apenas30 minutos de Espinho e a 60 do centro do Porto em comboio suburbano da linha de Aveiro. O preço do bilhete de ida e volta Espinho – Salreu é de 3, 60 €.

A partir do apeadeiro de Salreu são apenas 10 minutos até ao início do percurso junto do Centro de Interpretação Ambiental. Depois da sair estação vira-se à esquerda e segue-se por uma pequena estrada local até um cruzamento que tem a indicação do percurso. Continua-se, a partir daí , até atravessar o viaduto sobre a linha-férrea. O Centro de Interpretação, um pequeno edifício rectangular avermelhado, fica do outro lado.

Verifico que existem outros percursos da BIORIA nas proximidades, os do Bocage, Rio Jardim e Rio Antuã e fico agradado com mais esta possibilidade para futuras caminhadas.

O trajecto é fácil, demora três horas e está muitíssimo bem sinalizado. Existem painéis interpretativos em vários pontos, bancos e espaços para merendar.
Transcrevo partes do primeiro painel sobre a origem da ria de Aveiro:

“…esta é na realidade uma laguna costeira resultante da acção conjunta de ventos e correntes marítimas. Desta acção surgiram dois cabedelos arenosos: um que parte do cabo Mondego para Norte e outro que se estende de Espinho em direcção a Sul. A configuração destes extensos cordões arenosos ter-se-á iniciado no século X e demorado nove séculos a adquirir a configuração actual. Inicialmente o mar atingia localidades como Aveiro, Estarreja e Murtosa e submergia outras como Ovar e Mira.
Esta área foi desde cedo explorada pelo Homem que, atraído pelos seus enormes recursos naturais aí se fixou. Como resultado desta relação, a área adquiriu um inegável valor cultural e económico, tornando-se detentora de uma biodiversidade ímpar.”

Nesta altura do ano as cores são mais sombrias mas de uma grande beleza quando se olham os canaviais ressequidos e as margens lamacentas do rio Antuã e da Ribeira de Salreu.
Ao longo de percurso ouve-se o restolhar das ervas batidas pelo vento, os sons de diferentes espécies de aves e o coaxar das rãs.
É um trajecto propício à observação de aves e aconselham-se uns binóculos a quem estiver mais interessado no assunto.


Tabua-larga (planta comestível)

Rio Antuã
Velho cais abandonado

Comporta para os arrozais


Ponto de apoio


Ribeira de Salreu




segunda-feira, 12 de outubro de 2009

PR3 Fafe – À Descoberta de Aboim


Percurso circular com 15 km de extensão. Local de partida: Largo da Igreja, na Freguesia de Aboim – Fafe.

Grau de dificuldade: médio

O percurso encontra-se bem sinalizado e percorre caminhos rurais em espaços maioritariamente abertos e com pouca sombra. Por esta razão a melhor época para fazer o percurso talvez seja o Outono e a Primavera, quando o Sol não é tão forte.
São visíveis as serras do Gerês, a Norte, da Cabreira, a Este e a do Alvão a Sudeste.


As formações graníticas são comuns ao longo de todo o percurso, assim como a arquitectura tradicional das casas rurais e dos espigueiros, construídos maioritariamente nesta rocha.
Aconselho uma paragem no café de Aboim, cujo dono é uma pessoa muito prestável e que poderá dar informações úteis sobre o percurso, assim como os habitantes da freguesia.
Aos Domingos, para Visitar o Moinho de Vento e o Museu deve-se contactar a Junta de Freguesia.






Flor do açafrãoTritão