domingo, 3 de fevereiro de 2013

As Minas dos Carris


Eu não estive nas Minas dos Carris. É proibido visitar as Minas dos Carris. Alguém em Lisboa, que provavelmente nunca pôs os pés no Gerês, decidiu por Decreto Lei multar quem frequenta zonas de proteção integral e pelo mesmo decreto –lei só autorizar a visita às zonas de proteção especial de níveis 1,2 e 3 a quem pedir uma autorização prévia com dois meses de antecedência. Como respeito a lei e esqueço-me de pedir a autorização com dois meses de antecedência, não ponho os pés no Gerês já há alguns meses, desde que a lei entrou em vigor. Respeito muito as decisões superiormente decididas por não sei quem que está em Lisboa e nunca põe os pés no Gerês, mas tem que inventar leis para mostrar trabalho.

Tenho um pastor amigo, creio que o decreto-lei ainda não proíbe os pastores de andar a pastar as ovelhas na serra, que me fez o obséquio de fotografar o trilho dos carris, a velha estrada de pedra solta que vai até às minas de Volfrâmio, explorado durante a segunda guerra mundial. Mineral preciosíssimo para destruir os tanques inimigos, muito cobiçado por Alemães e Ingleses, velhos beligerantes e agora grandes aliados na união Europeia, fortemente empenhados em destruir o pouco que resta da economia dos países periféricos.

O meu amigo pastor tem um IPAD wireless de 4º geração, de onde me enviou a partir do seu  abrigo na montanha as fotos em primeiríssima mão da jornada pelo estradão. Também me fez o favor de enviar uma breve descrição para que o resto do mundo conheça o que os seus olhos afortunados observaram, pois mais nenhum mortal  tem o direito de pisar o solo sagrado das zonas mais recônditas e remotas do lado Português da serra do Gerês.
Por respeito pela privacidade e individualidade dos animais optei por não colocar as fotografias das ovelhas.

Minhas senhoras e meus senhores o que apresento de seguida é uma reportagem fotográfica rara, uma oportunidade única para observar um trilho proibido pelo Decreto- regulamentar não sei quantos. Vejam, observem, porque mais ninguém senão os pastores locais, devidamente credenciados, podem pisar estes locais sagrados.

Os senhores em Lisboa, tão zelosos em inventar Decretos-lei, bem podiam lembrar-se de ir de vez em quando ao Gerês. Há vários dias que houve uma derrocada na mata da Albergaria, havendo um grande pedregulho na estrada da portela do Homem, sinalizado com uma simples fita de plástico vermelho. Como os senhores andam muito ocupados a inventar decretos- lei ainda não tiveram tempo de mandar retirar o pedregulho da estrada, nem de mandar limpar o lixo que se vai observando nas bermas. É mais importante restringir o acesso a determinadas zonas, claro.
Local Sagrado I - Mata da Albergaria

A Estrada Sagrada

A Fonte Sagrada

Local Sagrado II - A Encosta do Deus Sol

Local Sagrado III - O Monte Olímpo

Visão Sagrada

O Éden

Local Sagrado IV

A Estrada Proibida

O Vale Sagrado do Rio Homem

A Cascata dos Deuses

O Vale Proíbido

O milagre das Folhas transformadas em gelo

Outro milagre

Local Sagrado V

A Floresta Encantada

Local Sagrado VI

Os Brinquedos dos Deuses

O abrigo onde o meu amigo pastor pernoitou e de onde me enviou esta magnífica reportagem fotográfica

Local Sagrado VII

O prado dos deuses
O Trono Real

É isto que estamos proibidos de ver

A visão sobre o chão terreno de Pitões das Júnias

A mesa dos deuses 


Mais folhas transformadas em gelo pela ira divina


Planta Sagrada

As folhas sagradas

O lago sagrado das Minas dos Carris

Por fim, as relíquias proibidas